Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Você está aqui: Página Inicial A Comunidade Estimativas populacionais das comunidades

 

 

Estimativas populacionais das comunidades

"A estimativa atualizada de brasileiros no exterior apresentada aqui levou em conta, como base, avaliações contidas nos relatórios consulares (RCNs) enviados anualmente por nossos Consulados e Embaixadas sobre o número de brasileiros residentes em suas respectivas jurisdições. Tendo em consideração que grande parte desses brasileiros encontra-se em  situação migratória irregular e evita submeter-se a sondagens e censos, ou mesmo matricular-se nas repartições consulares, é difícil fazer tais avaliações.


"Faltam elementos objetivos para isso, exceto no Japão, onde praticamente toda a comunidade brasileira está regularizada e computada em estatísticas oficiais. Sobre os dados dos RCNs – exceto os do Japão – foram projetados indicadores sobre a relação existente entre número de brasileiros nesse país e número de passaportes e outros documentos consulares a eles expedidos, bem como índices de redução ou aumento do número de brasileiros no Japão nos últimos anos. Os resultados da aplicação dessas projeções nas  estimativas dos RCNs foram comunicados aos postos do Itamaraty no exterior, com pedido de comentários. Em regra, tais repartições tenderam a contestar os novos números mais baixos, ponderando que não têm observado diminuição, mas sim aumento, do movimento consular. Tais respostas foram cotejadas com informações de várias fontes, mesmo que imprecisas e  tentativas, desde que tivessem fundamentos e razoabilidade. O número final arbitrado pela SGEB em 2012, de cerca de 2,5 milhões de brasileiros, representa uma redução de  aproximadamente 30% em relação aos divulgados pelo Itamaraty em 2008, que foram calculados com base nos relatórios consulares daquele ano. Considerou-se que tal redução faz sentido em face da nova situação econômica e das novas oportunidades de emprego que se abriram em nosso país, fator de atração fortalecido pelas crises e dificuldades financeiras pelas quais tem passado países de acolhida de brasileiros, o que leva a controles migratórios mais rígidos para entrada e permanência dos nossos nacionais em seus territórios, inibindo decisões de emigração e favorecendo o regresso, este por sua vez estimulado por programas de retorno voluntário.

"As estimativas do número de brasileiros no exterior feitas pelo Itamaraty buscam levar em conta vários fatores, como: dados oficiais fornecidos por autoridades migratórias locais; censos oficiais; número de eleitores registrados na jurisdição; número de matriculados nos consulados; sondagens junto à comunidade; solicitações de passaportes e outros documentos por brasileiros; movimento geral da repartição e de consulados itinerantes; dados disponíveis sobre saída do país e retorno de brasileiros; percentuais de redução de remessas; publicações da Organização Internacional para as Migrações (OIM); estudos da OCDE; trabalhos acadêmicos e artigos na imprensa. Compilação das respostas a pergunta específica que constou do último censo oficial do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre o número de familiares residentes em outros países subestimou, assim como costumam fazer outros censos oficiais, o tamanho da diáspora brasileira. Por exemplo, calculou em cerca de 60 mil o número de brasileiros no Japão, quando se sabe comprovadamente que somam hoje mais do que 200 mil."

Trecho retirado da publicação "Diplomacia Consular", disponível para 'download' integral no menu à esquerda.

Ações do documento